Investigadores do CCMAR no caminho da regeneração e formação óssea | CCMAR
VERSÃO DIGITAL DO PRIMEIRO MAPA DA TOPONÍMIA DOS MARES ALGARVIOS JÁ ESTÁ DISPONÍVEL
É o primeiro registo em mapa dos nomes dos principais bancos de pesca algarvios.
Nova espécie para a ciência identificada na costa algarvia
São espécies do filo Kinorhyncha, as primeiras descritas em Portugal, duas delas são totalmente novas para a ciência e foram encontradas em amostragens realizadas na costa algarvia...
Investigadora do CCMAR recebe prestigiado Prémio Marine Fellow 2017 da Fundação Pew dos Estados Unidos
Ester Serrão, investigadora do Centro de Ciências do Mar (CCMAR) e Professora associada da Universidade do Algarve, foi uma dos onze cientistas internacionais e conservacionistas premiados em todo o mundo, com o prestigiado Marine Fellow Prize 2017...
CCMAR RECEBE GRUPO DE ALUNOS DA UNIVERSIDADE DE SHOU
No passado mês de Julho, o CCMAR recebeu durante quinze dias, um grupo de alunos da Universidade chinesa, que acompanharam de perto o trabalho dos nossos investigadores.
THE APPLICATION OF POPULATION GENOMICS TO FISHERIES MANAGEMENT
The Foresight Workshop is designed to bring together fisheries management practitioners, stakeholders involved in fisheries policy making and governance, as well as genomic scientists to facilitate interaction. 8 - 10 Maio 2017
Investigadores do CCMAR descobrem nova microalga para produção de biodiesel
Trata-se de uma nova estirpe de uma microalga com elevado potencial para produção de biomassa e bio-óleos. Os investigadores do CCMAR que conduziram o estudo estão otimistas e explicam que a estreita colaboração com a indústria...
 

Investigadores do CCMAR no caminho da regeneração e formação óssea

 

O estudo recentemente publicado por investigadores do Centro de Ciências do Mar (CCMAR), foca-se na identificação e teste de moléculas ou compostos que potenciam a regeneração e aumentam a taxa de formação óssea.  O trabalho foi desenvolvido em peixes-zebra, uma espécie que já provou  ser capaz de regenerar completamente a barbatana após amputação, num espaço de apenas duas semanas. Esta barbatana é composta por vários componentes/tecidos, entre os quais um esqueleto, composto por raios ósseos. Durante a regeneração o que acontece é o restabelecimento completo dos tecidos, incluindo a formação de osso novo.

João Cardeira, do grupo BIOSKEL, do CCMAR, é um dos autores do artigo e explica que este estudo pode tornar-se referência no que toca à regeneração de osso, numa perspectiva aplicada à biomedicina. “Este trabalho tem uma aplicação bastante imediata, pois a metodologia e estandardização desenvolvidas contribuem para o estudo e identificação de moléculas com relevância para o desenvolvimento de estratégias terapêuticas para doenças ósseas. De entre estas destaca-se a osteoporose, que é precisamente caraterizada pela perda de massa óssea, pelo que moléculas que tenham o efeito oposto são altamente importantes” – refere o investigador.

Poderemos imaginar que, embora num futuro ainda longínquo,  sendo a barbatana do peixe zebra semelhante aos membros humanos, a possibilidade de regenerar membros começa a tornar-se uma ideia cada vez mais plausível.

 

Notícias relacionadas:

CCMAR @t media: Os peixes podem ajudar a combater a osteoporose?